Associação

A 7 de Novembro de 1915, lia-se no jornal quinzenal , “O Farol Fãozense” o seguinte apelo, «( …) Vai fazer um ano, que depois de ter havido um incêndio num prédio, no Ramalhão, o Exmº Sr. Dr. Arlindo Corrêa Leite (…) lembrou que fosse aberta uma subscrição para a compra duma bomba, para assim, poder-se criar depois aqui uma corporação de bombeiros. E o que sucedeu? ( …). Nada. Tirem-nos da apatia em que nos encontramos, e haja mais um pouco de patriotismo e boa vontade ( …)».

corpo_activo_e_direccaoNa época só existia corporação de bombeiros em Esposende, sendo a população de Fão socorrida em caso de sinistro, por aquela corporação. Há registo de dois incêndios trágicos no ano de 1925, acontecimento que provavelmente fez com que os fangueiros se decidissem constituir um corpo de Bombeiros em Fão, o que veio a acontecer, em 27 de Dezembro de 1925, após a angariação de donativos para a aquisição do necessário material de pronto socorro.

Faziam parte da Comissão angariadora de fundos, os seguintes cidadãos:

  • Albino Torres
  • Prior António Alves Nogueira
  • António Domingues Mariz
  • António Freitas Mendes de Morais
  • António Gomes da Silva
  • António José da Costa
  • António José Vila Chã Pinheiro
  • António Dias dos Santos Borda
  • Dr. José Bernardino Ribeiro
  • Carlos Pires Lopes Moreira
  • Celestino Gomes Pires
  • Emílio Fernandes
  • Jaime Lopes Pereira
  • Dr. João Gonçalves Pereira Barros
  • João Gonçalves Simões
  • João Victor Carneiro
  • Joaquim Pinto de Campos
  • José Fernandes Gaifém
  • José Ferreira de Carvalho
  • José Joaquim Soares Estanislau
  • Júlio da Cunha Azevedo
  • Manuel de Carvalho Brito

Nesta data e em Assembleia Geral foram discutidos e aprovados os estatutos da Associação e foram eleitos os membros que iriam dirigir a corporação no ano de 1926.

O jornal “O Esposendense” publicava em 2 de Janeiro de 1926, a notícia da constituição da Associação dos Bombeiros Voluntários de Fão, considerando que, “esta obra teve o condão de unir desde o primeiro momento em que nela se pensou, todos os Fãozenses num esforço grande e harmónico para levar ao fim um melhoramento que se julgou ser de necessidade”.

Propostos os elementos para constituírem os corpos directivos da corporação, ficaram os cargos assim distribuídos:

Mesa da Assembleia Geral

  • Presidente: António Alves Nogueira, “Prior”
  • Vice-presidente: Joaquim Pinto de Campos
  • 1º Secretário: José Joaquim Soares Estanislau
  • 2º Secretário: Américo Fernandes Pereira

Direção

  • Presidente: Bernardino José Fernandes Ribeiro “Dr.”
  • Vice-presidente: Carlos Henrique de Oliveira
  • Secretário: Jaime Lopes Pereira
  • Tesoureiro: João Victor Carneiro
  • Vice-secretário: António F. Mendes de Morais
  • Vice-Tesoureiro: António José da Costa
  • Vogal nato: António José da Costa (Comandante)

Conselho Fiscal

  • Presidente: João Gonçalves Pereira de Barros, “Dr.”
  • Secretário: João Dias dos Santos Borda
  • Relator: António Gomes da Silva

O Corpo Activo era constituído pelo Comandante António José da Costa e pelos Bombeiros aspirantes e Praças:

  • Albino Torres
  • Emílio Fernandes
  • António de Sá Pereira
  • Manuel Gomes Penetra
  • Alberto Ferreira Belo
  • Ciro Gonçalves Figueiredo
  • Manuel Gonçalves Sapateiro
  • José Carvalho
  • Cândido Alves dos Reis
  • João Cruz

Em Assembleia Geral extraordinária, realizada no dia 12 de Fevereiro de 1928, a pedido da Direcção da Associação, decidiram alterar algumas das disposições dos estatutos, através da revisão do artigo primeiro e terceiro, incumbência que ficou a cargo de uma comissão mandatada para o efeito.

Assim, foi adoptada uma outra designação para a associação, que se passou a denominar Benemérita Associação dos Bombeiros Voluntários de Fão, nome que manteve até 2009.